Wednesday, July 18, 2012

Messe



MESSE


Cato piolhos ao dia
e os devoro.
Sob teto de alvenaria
já não moro.
E mesmo a casa de taipa
jaz no solo.

Há, pois, que habitar espaços
insuspeitos
Mas como abarcar com braços
ar rarefeito?

Agarro com as mãos vazias
o vazio do meu peito.

1 comment:

Raul Agostino said...

Ah, se eu tivesse palavras sobrando! Mal consigo, entre graus e fonologias preencher o vazio em minh'alma.