Sunday, April 09, 2017

Um Lençol ao Cair da Tarde

Bar Big - Praça Seca


Há quem pregue o fim do Carioca, talvez o fim de todos os estaduais, por razões as mais diversas. Fala-se em prejuízos, desmotivação, estádios vazios, violência, erros de arbitragem. Não é pouco. Bem, se fosse para acabar com um campeonato por causa de erros de arbitragem, aí já não teríamos nem copas do mundo, onde, supostamente, encontram-se os melhores juízes e bandeirinhas.

Concordo que os regulamentos podem ser bem esquisitos. O deste ano é particularmente sem sentido: um time pode conquistar os dois turnos e ainda assim terá que disputar um quadrangular final. Nem Kafka.

Mas o futebol é teimoso, insiste em surpreender também com coisas boas.

Esse lençol de Gilberto sobre Diego é dessas.

A reparar que a jogada reúne o que Italo Calvino propôs para este terceiro milênio : leveza, rapidez, exatidão, visibilidade, multiplicidade, consistência.

Reparar também a alegria dos torcedores, como se fora um gol. Aliás, foi. Não houve empate.


PS: O título deste texto roubei-o ao ótimo "Uma bicicleta no cair da tarde', do Luiz Antonio Simas.

1 comment:

JM said...

Rapaz, eu estava em um bar com a impressão que só eu olhava para a tela. A maioria estava conversando, olhando o celular e outras atitudes pós-modernas. O único momento em que todos pararam para ver a tv foi na repetição da cena. Estamos salvos pela poesia. Ainda.