Saturday, June 23, 2012

talvez por isso



Era minha deixa
levanta-te e anda
abre a boca e fala filho da puta
confundi errei tudo
o tom a medida a mesura
o registro a marcação a se
cura na garganta
a língua seca

vem daí o gosto pelo álcool
talvez por isso me apegue à poesia
estes versos de merda
que ao menos me olham
e eu a eles
borboletas presas no alfinete
sob débil controle

2 comments: