Saturday, October 25, 2014

Por um Presidente Gago. Por um Presidente Surdo-Mudo


No mínimo exagerado o valor dado ao que se entende por falar bem. Falar bem, isto é, com clareza, com bom vocabulário, sem repetições desnecessárias, sem tergiversações e sem gaguejar, tornou-se, por antonomásia, sinônimo de honestidade e de capacidade de boa administração.

Outro dia, assisti a uma entrevista de um professor norte-americano para a CNN. Ela tratava da maneira preconceituosa como os países árabes são amiúde tratados pela imprensa do Ocidente. Sua retórica aliada a seu amplo conhecimento do assunto me impressionaram. Dava um braço, um dedo que seja, para falar assim.

Como professor, procuro me expressar com clareza em sala de aula, o que nem sempre consigo. Se eu for pego de surpresa na rua em uma entrevista ou estiver sob pressão, em uma reunião ou novamente em uma situação estressante de rua, posso me expressar bastante mal, se aceitamos como bem as características que elenquei acima. E aí? Estou forçosamente sendo incapaz? Desonesto? Não valho o que uma gata enterra?

Por extensão, não falar bem vira não saber falar. Desde 1989 ouço essa história de que Lula não sabe falar. Agora crucificam a Dilma porque ela gagueja e comete eventuais agramaticalidades. Até o "pra mim fazer" virou motivo de chacota nas redes sociais. Isso já não está superado? Bandeira não tratou disso em crônica antológica?

Então o importante é saber falar, saber se expressar com retórica cristalina mesmo sob pressão. Ora, mas as decisões, as medidas a serem tomadas por um presidente não são tomadas sob pressão, são? Sob este tipo de pressão? Então a bela habilidade de "falar bem" torna-se um balangandã, um acessório. Eu também preferia que meu candidato, seja para presidente, para chefe ou para síndico, soubesse "falar bem", como me causaria alegria saber que ele desenha bem e sabe fazer um belo ovo frito, sunny side up. 

Aécio fala melhor do que Dilma, se tomarmos o senso comum do que é falar bem. Euzinho aqui acho que a Dilma fala melhor do que ele, justamente por não ser uma autômata treinada, uma atriz, um pau mandado como Mr. Snow.

Mais: seguindo ainda o senso comum do falar bem (Hitler, claro que eu tinha que lembrar, foi grande orador, daqueles que hipntozam as multidões, mesmo que estas tenham bebido Schiller, Novalis e Goethe em suas mamadeiras), então um gago nunca poderá ser presidente da república? Porque existem gagos, não? E os surdos-mudos? Não existem? Receberão nossas migalhas a que daremos o nome de inclusão mas, ai ai ai, nada de vida política!

2 comments:

Ana said...

Fecho contigo. E não abro.

Daniele Domingues said...

Excelente