Wednesday, March 05, 2014

Alguns Botequins de Quintino



Para que não pensem que Quintino é o bairro apenas do Bocaiúva, do Artur, do Albano, tem o burgo seus botequins dignos de registro, sendo que um mesmo bem mais do que isso.

Como sói ser com os bairros cortados pelo trem, tem o lado de cá e o lado de lá. Minha pesquisa concentrou-se no lado de cá, que não é o do Bocaiúva, republicano histórico que empresta o nome ao bairro, mas o do Artur, cuja casa, aliás, não vi.

Muito bom ver como resistem os botecos-mercearias, a começar pelo primeiro, em frente ao trem, homônimo do grande Flor do Tâmega de Santo Cristo (escrevi aqui) e o segundo, que tem corno e deliciosa placa de trânsito. O terceiro parece ser dos mais populares ao passo que a distribuidora tem azulejos ímpares na fachada. O seguinte retrata bem a forte devoção ao Santo Guerreiro e, last but not least in importance at all, o Souto é tão formidável que merece post à parte.

E assim Quintino para mim não é apenas o bairro do Albano Reis (irrelevante) ou do Zico (respeito) e do Bocaiúva (respeito), mas o do glorioso Bar do Souto.

E este blogueiro, passados quase sete meses, volta a se dedicar aos botequins cariocas.

Mercearia Flor do Tâmega

Bar e Mercearia Alijoense de Quintino

idem

idem

Bar do Vagão

Distribuidora de Bebidas de Quintino

Botequim da Casa Jorge

idem

Bar do Souto

1 comment:

Camila Veilchen said...

Os botequins estavam com saudade do neguinho